o pastorQuem buscará o ser perdido nos profundos abismos, ou nas vias erráticas na vida; quem procurará incansavelmente aquele que não pode retornar sozinho, com suas forças, pelo caminho da salvação? Dietrich Bonhoeffer, mártir do cristianismo sob o nazismo, ajudando-nos a entender as implicações da espiritualidade cristã a respeito do perdão e do resgate de quem se desvia nos caminhos da vida, diferencia-as da psicologia terapêutica. Diz o mártir da fé incondicional: “a psicologia conhece a miséria, a fraqueza e o fracasso das pessoas… mas não conhece a impiedade humana”! Duras palavras dirigidas à psicanálise. Porque a mesma informa: “o resgate está na pessoa capaz de perdoar-se a si mesma”.

Não é assim o evangelho de Jesus. Em parábolas, ele descreve a alegria do pastor que achou a ovelha perdida, desviada do caminho certo; a alegria da mulher que achou a “dracma” perdida, concluindo: “Digo-vos que assim haverá maior alegria no céu  (isto é, em Deus) por um pecador resgatado, do que por noventa e nove justos que não necessitam de resgate” (Lc 15,7-10).

A existência humana também conhece a esperança da segurança plena e definitiva, quando consegue o apoio no fundamento último, Deus que salva sem estabelecer condições; Deus que salva por amor, em gratuidade, na direção da salvação plena. A presença terrível do  Mal ronda as ovelhas nos caminhos da vida. A luz da esperança, mostra que a sombra inquietante do Mal não conseguirá eclipsar completamente a salvação, que “é iniciativa de Deus, e não do homem” (Karl Barth).

O desafio é total, porque o Mal continuará criando esse vazio obscuro, conforme Andrés Queiruga, criando incertezas, apresentando soluções parciais, às vezes camufladas pela terceirização salvacionista humana; contaminando o sentido da vida, e pressionando no sentido da dúvida sobre a gratuidade total que vem de Deus. Sem dúvida, uma aposta de vida ou de morte sobre uma fé que não se submete à razão sobre si mesma, justificando o pecador disposto a aceitar a oferta de Deus. 

Deus é transcendência cristalina. Ele quer a salvação dos esquecidos nos grotões da vida, presos nos abismos das escolhas erradas ou por imposição fatalista, determinista. Quer resgatar os incapacitados de concorrer, deixados para trás, excluídos, abandonados nos despenhadeiros das desigualdades, do racismo, das diferenças sexuais, das castas e dos guetos. E Jesus diz que eles pertencem a Deus, e o seu errar lhe causou preocupação, e ele vai buscá-lo, no mais fundo abismo existencial, com ternura e cuidado. O pastor alegra-se na volta do que errou o caminho seguro para voltar à casa; alegra-se por  proteger os esquecidos. Trata-se da alegria “soteriológica” de Deus, expressa em Jesus.

Porque Deus é assim, de misericórdia incompreensível, a tal ponto que o ato de perdoar e resgatar é sua maior alegria, por isso o encargo do redentor é arrancar  o desviado das presas “satânicas” do erro; é trazer de volta para casa os perdidos no emaranhado ideológico do fatalismo que envolve e seduz o homem. De novo temos Jesus, o representante de Deus, assumindo a missão de vivência do evangelho integral do Reino. Deus vai atrás dos tresmalhados, tomando a iniciativa, para salvar e reconduzir ao redil aquele que necessita de cuidado, de segurança, enquanto comunica que o perdão incondicional é parte essencial do evangelho de salvação e libertação, pronunciado por Jesus Cristo.

“Há um pastor que me protege.
Ele me leva aos lugares de grama verde
e sabe onde estão as fontes encachoeiradas de águas límpidas.
Uma brisa fresca refresca a minha alma.
Durante o dia ele me pega no colo e me conduz por trilhas amenas.
Mesmo quando tenho de passar pelo vale escuro como a morte
eu não tenho medo. A sua mão e o seu cajado me tranquilizam.
Enquanto os lobos uivam, ele me dá o que comer.
Passa óleo de copaíba perfumado na minha cabeça
para curar minhas feridas, e me dá água fresca para sarar o meu cansaço.
Com ele não terei medo, eternamente…” (Rubem Alves – Sl 23: paráfrase)

Derval Dasilio

LEITURAS – 23o. DOMINGO – TEMPO COMUM
DEPOIS DE PENTECOSTES
Jeremias 4,11-12; 22-28 – A terra chorará em toda parte
Salmo 14 – O Senhor é o refúgio de quem se perdeu
1Timóteo 1,12-17 – Sou o principal, dos que Ele salvou

Lucas 15,1-10 – Em busca da ovelha perdida

 

Anúncios